Escócia Road Trip - Ovelhas na estrada

Por Andreia Leite a sábado, agosto 04, 2012
2º DIA

O calor dentro da tenda acorda-nos pouco depois das 7h... abrimos o fecho e os fortes raios de sol cegam-nos por breves momentos. À medida que recuperamos a visão deparamo-nos com isto... 
Uaaauuu! 

E não há Midges! Então é verdade que eles não gostam de sol!

Subimos a colina, seguindo o som da água, e encontramos o sitio perfeito para tomarmos banho! De bikini, toalha e sabonete bio-amigável lá vamos nós equipadas! 

A água está agradavelmente fria e refresca-nos o corpo e a alma. 


.................................
Depois de tomarmos o pequeno-almoço, em modo pic-nic, seguimos caminho com um espírito renovado! As frustrações de ontem à noite estão esquecidas: foi uma noite má, mas esta manhã foi perfeita! 

E aqui está o nosso trajecto para hoje:



video


Apanhamos o barco para Corran, atravessando o Loch Linnhe, uma viagem que durou apenas 15 minutos.


Seguimos caminho para a praia em Sanna. Em muitos sitios a estrada é de apenas uma via com pontos de passagem a cada bocado. Os condutores aqui vão a uma velocidade que entre tantas curvas, subidas e descidas, muitas vezes apanhámos sustos valentes com a iminência de embatermos de frente. 



Agora temos que parar devido ao tráfego de vacas...  




Mais à frente paramos porque as ovelhas escolheram a estrada para dormirem a sesta... e de facto elas não parecem importar-se com a aproximação do nosso carro.  O Thibaud aventura-se na tentativa de as tocar, e aí sim! Elas fogem! E continuamos caminho...



Finalmente chegamos a Sanna, uma pequena vila na remota encosta a oeste da Escócia, onde há meia dúzia de casas, ovelhas a pastarem livremente pelas dunas da praia e a praia quase deserta! 



Já são 14h e estamos esfomeados! Refrescamos as cervejas na água e fazemos um pic-nic na praia! :) 


16h30 e ainda temos que voltar... é 1 hora de caminho de volta pelo mesma estrada de uma só via até a estrada principal... este é o único caminho para Sanna. Imagino o tempo que as pessoas que aqui moram perdem para irem deixar os filhos à escola!  :O




Seguindo o norte, vamos espreitar as ruínas do castelo de Tioram (pronuncia-se Cheerum, devido ao gaélico escocês)... uma fortaleza construída no século XIV para proteger o acesso ao Loch Shiel. 


O acesso ao castelo está fechado pelo risco de queda das ruínas, mas a nossa curiosidade leva-nos a ultrapassar as barreiras e fazer uma rápida visita interior... 




De volta ao carro... ainda falta arranjar um sitio para dormir! 


Procuramos em diferentes praias... há demasiadas pessoas. O ideal seria um lugar onde pudessemos fazer uma fogueira para espantar os Midges, que já se fazem sentir e a cada paragem que fazemos somos atacados aos milhares!

Vamos até ao Loch Morar... depois de seguir por uns 15 minutos uma estrada que acompanha o norte do lago e que não parece ir dar a lado nenhum, encontramos um sítio com os restos de uma fogueira e ovelhas a pastarem livremente. 

Olhamos uns para os outros à espera de um argumento negativo: e até agora foi o melhor spot. Ficamos aqui! 

Enquanto a Marie monta  a tenda, o Thibaud e eu começamos a procurar material para fazer a fogueira. Não comprámos nada que ajudasse neste processo, e portanto só temos um isqueiro e o que a natureza nos der! Recolhemos palha, madeira miuda (por mais pequena que fosse a maior parte estava húmida e díficil de pegar fogo)... e não tinhamos palha suficiente! Os Midges não desgrudam e tentamos fazer esta fogueira o mais rapidamente possível!

Os primeiros fumos, a primeira chama! iiiuupiiii! Mas! não durou muito tempo, precisamos de mais e mais palha, folhas secas e tudo o que pudessemos encontrar que ardesse facilmente.

Chegámos a conclusão que o difícil não é fazer fogo, mas mantê-lo aceso!! E sim, os Midges afastavam-se um pouco com o fumo, mas não desapareciam!

À terceira foi de vez e lá conseguimos fazer uma fogueira e mantê-la. :)

Já esfomeados, embrulhámos batatas em prata para fazer batatas assadas, aquecemos um molho de tomate e cogumelos numa panela e depois de um bom bocado à volta da fogueira, lá fomos capazes de jantar algo quente :) 

O Sol pôs-se lentamente atrás da montanha, dando um tom cor-de-rosa aos céus. E nós por aqui ficamos mais umas horas, o mais perto da lareira que conseguissemos com os Midges mesmo atrás de nós, até que as brasas arrefeceram por completo e nós fomos dormir. 

0 Comentários:

Enviar um comentário

 

O Mundo nas Minhas Mãos Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos